Mãe, eu te amo! De: Mari Mori / Para: Célia Mori Vianna

mari_celia

Para falar da minha mãe, vou usar o livro “Em busca da alma feminina: Resgatando a essência e o encanto de ser mulher”, pois com muita verdade e carinho, ele fala a linguagem do meu coração!

 

“Aprendemos o que é ser feminina enquanto éramos muito jovens. As mulheres aprendem com a mãe o que significa ser uma mulher e com o pai o valor que uma mulher tem – o valor que elas têm como mulher. Da nossa mãe recebemos muitas, muitas coisas, porém as mais importantes entre elas são a compaixão e a ternura. Quando meus filhos eram pequenos e se machucavam, seu pai dizia algo estimulante como: “Não foi nada”. Eu os apertava nos braços e cuidava de suas feridas. Nossa mãe mostra-nos a face misericordiosa de Deus. Somos alimentadas em seus seios e embaladas em seus braços. Ela nos balança para dormir e canta canções de ninar para nós. Nossos primeiros anos são vividos junto aos cordões de seu avental, e ela cuida de nós em todos os sentidos da palavra. As mães têm um pouco de mistério para as meninas, mas também pertencem a um clube do qual, um dia, elas farão parte. Por isso, meninas, observem e aprendam.” (Eldredge & Eldredge)

 

E por isso tudo eu digo que, com minha mãe eu aprendi, mais do que qualquer outra coisa, a ser mulher! E por isso, minha amada mãe, eu te agradeço sempre, por todos os dias da minha vida. O seu exemplo me tornou a mulher que sou, uma humilde aprendiz de todas as suas lindas qualidades.

Te amo!

Mari

 

LIVRO:

Em busca da alma feminina: Resgatando a essência e o encanto de ser mulher

Por John Eldredge,Stasi Eldredge